Psicologia e Religião

Este tópico tem como objetivo esclarecer os limites entre a Psicologia e a Religião.

A Psicologia é uma ciência que estuda o comportamento e os processos da mente humana. Está fundamentada em princípios éticos e científicos, portanto a atuação do profissional psicólogo está regulamentada em seu código de ética.

Link do Código de Ética do Psicólogo:

https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf

A Religião está fundamentada na fé e espiritualidade, portanto trata-se de conteúdo próprio e individual de cada ser humano.

Sobre o site: www.psicologacrista.com.br

Faz-se necessário esclarecer que os textos de conteúdo específicos cristãos citados neste site pertencem exclusivamente ao universo de significados e conteúdos do cristianismo e, portanto, não podem e não devem ser confundidos ou interpretados como fundamentos, princípios, dogmas, extensões, qualificações, especialidades ou ensinamentos da Psicologia. O domínio do site (www.psicologacrista)  não qualifica a psicologia (ciência) como cristã e sim psicóloga (pessoa) como cristã.

O Brasil é um estado laico, porém a manifestação religiosa é livre.

A Constituição Federal Brasileira em seu Artigo 5º garante a liberdade de expressão religiosa como direito e garantia fundamental de todo cidadão, sendo inviolável a liberdade de consciência e de crença; garante também que é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação.

Como psicóloga, pesquisadora e mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP, realizei uma pesquisa científica , onde abordei a escolha do terapeuta associada à denominação religiosa; o trabalho contribui para esclarecer os motivos pelo qual um cliente procura um psicólogo que professa a sua fé.

Link da dissertação de Mestrado:

https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/15587

Na pesquisa, observou-se que o cristão evangélico procura por um psicólogo que professa a mesma fé em busca de um profissional que compartilha e compreende o mesmo universo de significados de sua espiritualidade.

O psicólogo, assim como qualquer profissional de outras áreas, tem o direito, se desejar, de manifestar publicamente a sua opção de fé e religiosidade pessoal, e isso não interfere no exercício de seu trabalho quando este é realizado de acordo com os princípios éticos que a profissão exige.

O cliente tem o direito de escolher o profissional de sua preferência e os termos que o levaram a esta decisão são de caráter particular, inquestionável e inviolável.

Conclui-se que é fundamental o entendimento de que a Psicologia é uma ciência que pode compreender e acolher os significados religiosos do indivíduo cristão e de outras religiões, mas não pode ser qualificada como uma psicologia cristã.

O CFP – Conselho Federal de Psicologia determina quais são as especialidades da psicologia que são regulamentadas pela Resolução CFP nº 013/2007.

Link do CFP:

http://site.cfp.org.br/servicos/titulo-de-especialista/

O psicólogo pode ser cristão e assim publicamente se declarar, mas a prática da psicologia é científica, portanto há limites estabelecidos entre a psicologia e a religião. A religião é tema de interesse, estudos e pesquisas no campo da psicologia, assim como os demais conteúdos do ser humano.

Há um posicionamento do sistema de Conselhos de Psicologia para a questão da Psicologia, Religião e Espiritualidade. O documento esclarece detalhadamente os limites entre os temas.

Link do CPF:

https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2014/02/Posicionamento-do-Sistema-Conselhos-de-Psicologia-para-a-quest%C3%A3o-da-Psicologia-Religi%C3%A3o-e-Espiritualidade.pdf

Como psicóloga, sou associada ao CPPC – Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos onde compartilhamos do mesmo entendimento.

Link do CPPC:

http://www.cppc.org.br/cristaos-psicologospsiquiatras-nossa-auto-definicao/

 

Andréia Aparecida de Melo Coliath

Psicóloga CRP 06/67143



"Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai." Filipenses 4:8